domingo, 17 de junho de 2007

Quinhentismo

Contexto histórico
Esse termo é uma designação genérica das manifestações literárias produzidas no Brasil durante o século XVI. Nesse período, não se pode tratar de uma literatura do Brasil, mas sim, de uma literatura no Brasil - uma manifestação ligada ao Brasil, mas que denotas as intenções européias.

Marco inicial
1500 - A composição da carta de Pero Vaz de Caminha, escrivão da esquadra de Cabral, ao rei de Portugal, D. Manuel, relatando as características das terras descobertas.
Este documento, publicado em 1817, é considerado uma espécie de “certidão de nascimento” do Brasil.

Características

A produção literária do período se divide em dois tipos de literatura:

ü Literatura informativa (ou de viagens) - composta por documentos a respeito das condições gerais da terra conquistada, as prováveis riquezas, a paisagem física e humana etc. No princípio, a visão européia é idílica. Porém, na segunda metade do século XVI, à medida que os índios iniciam a guerra contra os invasores, a visão se transforma e os habitantes da terra são pintados como seres bárbaros e primitivos.

ü Literatura catequética - constituída pelos textos (poemas, peças de teatro) escritos pelos missionários para a catequização dos índios.

Autores e obras

ü Pero de Magalhães Gândavo, com Tratado da Terra do Brasil (escrito, provavelmente em 1570, mas publicado em 1826) e História da Província de Santa Cruz a que Vulgarmente Chamamos Brasil (1576);
ü Padre Fernão Cardim, com Narrativa epistolar (1583) e Tratados da terra e da gente do Brasil;
ü Gabriel Soares de Sousa escreveu Tratado descritivo do Brasil (1587);
ü Diálogo sobre a conversão dos gentios (1557), do Pe. Manoel da Nóbrega;
ü História do Brasil (1627), de Frei Vicente do Salvador;
ü Duas Viagens ao Brasil, publicada em alemão por Hans Staden em 1557;
ü Viagem à Terra do Brasil, escrito pelo francês Jean de Léry no ano de 1578.

A obra literária de Anchieta

José de Anchieta (1534-1597) ingressou na Companhia de Jesus com 17 anos. Em 1553, veio para o Brasil e aqui ficou até morrer. Desempenhou um papel destacado na fundação de São Paulo e na catequese indígena. Além de homem de ação, foi também escritor religioso, tendo produzido poesias líricas, épicas, teatro (autos), além de cartas, sermões e uma gramática da língua tupi.

4 comentários:

fabricio disse...

site bom

lydia homs aleppo damas disse...

ESTE BLOG, NOS DEIXA A VONTADE PARA ESTUDARMOS QUE AS UNVERSIDADES EXIGEM!

lydia homs aleppo damas disse...

SEM LITERATURA , NÃO ENTENDEREMOS O MUNDO!

lydia homs aleppo damas disse...

GOSTAR DE LITERATURA É FUNDAMENTAL!